Indique este site        
 

BOLETIM

Saiba as novidades do site por e-mail e acesse arquivos exclusivos.

E-mail:

 

APRENDIZAGEM

Sal e Glen

Como uma experiência pode fazer diferença pelo resto da vida.

Sal tinha tido uma experiência que o fez concluir que era incapaz de aprender. Quando tinha três anos de idade, pegou um quebra-cabeça da estante e tentou montá-lo. O quebra-cabeça era para crianças de seis anos, mas Sal não sabia. Ele nem sequer percebia que crianças de seis anos são capazes de fazer coisas que as de três não conseguem. Apenas tentou montar o quebra-cabeça, sem resultado.

Os pais de Sal estavam na sala, observando suas tentativas frustradas. Desconcertados com os seus esforços, não sabiam o que fazer. Finalmente, o pai disse, sentindo-se também frustrado: "Deixe esse brinquedo de lado. Você nunca vai aprender nada!" Da próxima vez que tentou montar um quebra-cabeça e não conseguiu, Sal lembrou-se do primeiro fracasso e do que o pai havia dito. "Ele tem razão, não consigo aprender", pensou. Então deixou de lado o quebra-cabeça sem tentar de verdade e passou a uma coisa mais "fácil".

Mais tarde, o jovem Sal tentou desmontar um velho relógio com uma chave-de-fenda. Gostava de desmontar objetos. Mas é necessário saber por onde começar, e Sal não sabia. Lembrando suas experiências anteriores de fracasso, Sal nem fez muito esforço. Simplesmente deixou o relógio de lado, pensando que aquela era mais uma prova de que não conseguia fazer nada direito.

Nos anos posteriores, muitas outras experiências reforçaram sua decisão de que nada do que fazia era correto. Baseado em sua primeira experiência, encarava cada uma de suas dificuldades da mesma forma - como um reforço da sua dedução anterior a respeito das suas limitações.

Glen, por outro lado, havia tido uma experiência anterior que coloria seu futuro de ponta a ponta, de maneira muito mais positiva. Quando tinha quatro anos, sua família mudou-se do deserto para Ohio, onde existem muitas árvores. Glen não estava acostumado a ver tantas árvores e queria subir em todas. Após ter escolhido seu primeiro alvo, Glen passou de um galho para outro, empolgado com sua aventura. Quando estava lá em cima, olhou ao seu redor com prazer e decidiu que estava na hora de descer. Foi então que olhou para baixo pela primeira vez e ficou aterrorizado. Agarrando-se ao galho, gritou para a mãe, que estava do lado de fora da casa: "Socorro, não consigo descer!"

A mãe de Glen veio correndo, um pouco nervosa por vê-lo em cima da árvore. Entretanto, disse calmamente: "Glen, você está segurando com força, e isto é ótimo. Já que conseguiu chegar aí em cima, sem dúvida conseguirá descer. Será que consegue colocar o pé em outro galho e sentir se ele é sólido e pode agüentar seu peso?" Glen ficou mais calmo só de ouvir a voz da mãe. Percebeu que tinha tido competência para subir sozinho. Então, decidiu encontrar uma maneira de descer devagar dali por diante, e com cautela, até atingir o solo com segurança. Embora dali por diante tenha se tornado mais cuidadoso, Glen adquiriu um sentimento de competência - de que, por si só, conseguiria descobrir uma saída para seus problemas.

Essa experiência ficou para sempre com Glen. Quando, na escola, se deparava com tarefas difíceis, pensava na sua experiência com a primeira árvore e se dava conta de que podia achar uma solução. Portanto, continuava tentando e fazendo perguntas até encontrar a solução. Continuava tentando, mesmo quando os colegas haviam desistido. E cada vitória confirmava que ele era capaz de aprender e ter sucesso.

Steve Andreas e Connirae Andreas

Em A Essência da Mente (Summus)

Indique esta página para um amigo

 

 

 

Copyright 2002- Virgílio Vasconcelos Vilela

Permitida a reprodução desde que citados o autor e a fonte (obséquio dar conhecimento)