Indique este site        
 

BOLETIM

Saiba as novidades do site por e-mail e acesse arquivos exclusivos.

E-mail:

 

AVANÇADO

 Se você chegou até esta página sem ler a Advertência, por favor, leia-a.

Como você restringe sua própria liberdade - e como conquistá-la

Se você não se sente livre, a responsabilidade pode estar sendo sua

Você tem ou pode ter vários tipos de liberdade: de pensar, de se mover, de falar, de fazer escolhas variadas. Mas talvez você ainda se sinta como tendo pouca liberdade, e gaste boa parte de seu tempo para aumentá-la ou lutando por ela. Queremos mostrar aqui algumas coisas que você pode estar fazendo ou deixando de fazer e que acabam por restringir a sua própria liberdade e opções para lidar com a questão.

Vamos falar aqui de possibilidades; você é a única pessoa que pode determinar o que se aplica a si mesmo.

Liberdade interior

Primeiro, é útil distinguir entre liberdade externa e interior. Se você está lendo isto, certamente tem liberdade externa, como liberdade para caminhar e para decidir em que site você navegará ou o que lerá. Mas pode estar ocorrendo que você tenha todo tipo de liberdade externa mas não se sente, em algum grau, como tendo liberdade interior: pode estar em conflito, pode não se permitir certas coisas, pode não pensar tão livremente como gostaria. Nós estamos falando aqui é sobre liberdade interna, de pensar, sentir, decidir. 

Algumas formas de se tirar a própria liberdade

Uma das maneiras pelas quais você pode restringir sua liberdade interior é decidindo por antecipação. Toda vez que você toma uma decisão que afeta o futuro você está se restringindo. Por exemplo, uma amiga "quase" foi enganada por dois vigaristas com um golpe de bilhete de loteria, e depois disse: "Nunca mais ajudo ninguém". Essa decisão afeta virtualmente todo o futuro dela, em particular se tiver uma emoção forte associada. Se ela tiver uma intenção ou necessidade de ajudar alguém no futuro, essa decisão vai estar lá, possivelmente criando um conflito e restringindo a liberdade de escolha (claro que ela poderá sempre redecidir).

Outro modo de diminuir a liberdade interna é escolher e alimentar valores, regras e permissões. Estes são padrões de comportamentos desejados ou indesejados que nós escolhemos e usamos para guiar nosso comportamento, como “Sou fiel”, “Não devo fumar”, “Não aceito ofensas”, “Eu só compro carros da marca tal” e, como ouvi neste dia em que escrevo, "Só como arroz com feijão". Valores e regras em geral direcionam, reduzem ou limitam as opções de ação. Em particular, valores e regras expressos no presente ("sou", "compro") de fato implicam em atemporalidade e se aplicam a qualquer tempo, podendo induzir efeitos permanentes.

Um terceiro caminho para reduzir a própria liberdade é por meio de alimentar certas crenças e convicções sobre sua identidade e sua capacidade. O que a pessoa acredita que é define ou inibe possibilidades de ação: se alguém "é" ladrão, é natural para essa pessoa direcionar-se para roubar. Se você acreditar que é tímido, esta convicção determinará para você que certos comportamentos não são permitidos, como aqueles mais extrovertidos. E se alguém acredita que é "burro", talvez nem tente achar soluções para certos problemas só por causa dessa crença.

Em particular, a falta de consciência do papel de cada pessoa como agente de mudanças no mundo, na forma de uma descrença de que pode mudar as coisas ou crença de que não pode mudá-las, faz uma diferença significativa na liberdade que alguém acredita que tem. Isso gera uma expectativa de que o futuro está predeterminado ou que a pessoa não influi nele, e que não importa o que faça, pouco ou nada vai mudar. É como seguir num rio a favor da corrente, em uma canoa sem remos e sem leme. O mundo será o mesmo, a vida será a mesma, a chatice será a mesma, está tudo previsto. 

Um fator relevante na sua liberdade está relacionado aos hábitos. Um hábito é criado pela repetição de comportamentos em condições semelhantes. Por exemplo, você acorda, espreguiça, levanta, calça o chinelo, vai ao banheiro, faz café. No outro dia a mesma coisa. Após algum tempo, há uma tendência a repetir a seqüência, até que há a acomodação e cessa a escolha. É por isso que alguém disse: "Primeiro você faz o hábito, depois o hábito te faz". Quanto mais hábitos, menos escolha, e quanto menos escolha, menos liberdade.

Esses são os hábitos comportamentais; menos notados na nossa cultura são os hábitos perceptivos e os cognitivos. Exemplos de hábitos perceptivos: se olha o céu à noite, nota sempre a lua e as nuvens; se olha o rosto de uma pessoa, nota sempre os olhos, se azuis, e os dentes, se ela for dentuça. Já os hábitos cognitivos são padrões de interpretação: uma criança gritando é sempre uma "chata", alguém com uma certa pose é sempre "metido" e se alguém erra é "burro".

A existência de muitos hábitos indica que você pode ter usado a liberdade que teve para restringir a sua própria liberdade de agora! 

Agravantes

Outros fatores podem agir com os já mencionados para agravar a sua falta de liberdade interior. Um deles é o grau de generalização com que você pensa e escolhe. Uma pessoa pode achar que é burra, mas em que? Todo o tempo? Em tudo? Se você determinar que “Eu não matarei” e “Eu manterei minha casa limpa”, e você acha uma barata na cozinha, isto pode causar um conflito, que não teria acontecido se você tivesse escolhido que “Eu não devo matar seres humanos, e só matarei animais quando eles puderem causar dano a seres humanos”. 

O grau de generalização alto empobrece os mapas internos que usamos para nos guiar. Mapas mais pobres equivalem a pobreza de opções de ação, e quanto menos opções, menor a percepção de liberdade. 

O uso inadequado da linguagem pode contribuir para agravar o problema. Palavras e frases direcionam nossa atenção para certos aspectos em detrimento de outros. Por exemplo, se digo "Estou frito!", enfatizo conseqüências negativas de uma situação e estou possivelmente esquecendo que poderia aprender algo com ela e que é possível ter alguma conseqüência positiva como decorrência. Se restringimos os pontos de vista com que percebemos uma situação, as opções de ação também são reduzidas. 

Quando os elementos ou processos de pensamento e decisão estão inconscientes (talvez você apenas reaja ou sinta, sem ver nem ouvir o que está acontecendo lá dentro), pode ter alguma dificuldade em elaborar alternativas de ação. E se você se programou com crenças ou valores limitantes ou conflitantes quando era criança ou depois, isto não importa, na medida em que os processos internos estejam atuando agora. 

Um outro agravante é não se perceber a liberdade que se tem. Há pessoas que enfocam e dão importância somente ao que as prende. Simplesmente não notam, e portanto não usufruem e talvez nem exerçam.

Como expandir sua liberdade 

Você não perdeu sua liberdade interior a partir de um acontecimento ou em um dia. Na verdade, essa situação foi construída passo a passo, decisão a decisão, comportamento a comportamento, momento-a-momento. Para mudar essa situação, é melhor não criar expectativas irreais de atingir esse objetivo na próxima segunda-feira. Essa conquista será resultado de um trabalho direcionado e regular. A base disso inclui:  enriquecer sua compreensão, perceber as liberdades que se tem, aperfeiçoar crenças sobre si mesmo, as pessoas e o mundo, trabalhar a geração de opções antes da escolha e estar presente.

 

Enriquecer a compreensão - O que significa "liberdade" para você? É poder fazer o que quer, sem restrições? É ir contra algo ou alguém? Uma boa liberdade tem significados mais ricos. Por exemplo, uma casa é algo que propicia certas liberdades, mas também inibe outras . O mesmo com um automóvel (por exemplo, seu corpo fica preso ao banco). A boa definição de liberdade deve incluir outras noções. 

A primeira idéia que deve estar associada á liberdade é a de conseqüência. Tudo que escolhemos fazer provoca efeitos em nós, nos outros e no mundo. Se você diz ou não bom-dia, se dá um sorriso ou não, a forma como faz essas coisas, cada ação faz alguma diferença para você ou para alguém, com efeitos imediatos ou a curto, médio ou longo prazos. 

A segunda noção é de responsabilidade. Somos responsáveis pelas conseqüências do que fazemos ou deixamos de fazer. Um exemplo drástico é do filme Homem-Aranha; este deixa um assaltante fugir em represália por não ter recebido um pagamento, e o assaltante em seguida rouba e mata seu tio.

Um outro aspecto que deve fazer parte do significado de liberdade é o outro. Sua liberdade depende de quem está próximo. Se isso for ignorado, vão ocorrer inevitáveis choques. Um entendimento de liberdade que integre e equilibre intenções pessoais com as de outras pessoas funcionará melhor. Sobre isso, veja O Princípio do Equilíbrio.

Outra compreensão útil é de que decidir por antecipação pode ser interessante e até vital. É essencial, por exemplo, para planejar uma viagem. Para se casar você decide que ficará com uma pessoa por muito tempo. Valores e regras também costumam ser muito úteis. Que tal ter um valor do tipo “Eu não devo matar pessoas”? E que tal ter uma convicção sobre si mesmo como “Eu sou capaz de achar soluções para qualquer problema”? Então o problema não é com pré-decisões, valores ou crenças, mas quais são e como são aplicados. 

Em síntese, liberdade irrestrita não faz sentido prático, seu significado será sempre associado a limites, estará dentro de um ou mais contextos: liberdade no contexto de uma casa, liberdade no contexto de um carro, liberdade no contexto de um relacionamento, liberdade no contexto de uma instituição ou empresa, liberdade no contexto dos meus valores, liberdade no contexto da situação atual, liberdade no contexto das decisões já tomadas, liberdade no contexto de termos um corpo e possíveis combinações. Você pode pensar também com o enfoque das liberdades permitidas pelo contexto.

Em alguns casos, você terá a liberdade que construir e conquistar, como no caso de relacionamentos: a liberdade que você tem com alguém depende das características individuais, das experiências vividas, das permissões desenvolvidas em conjunto, da profundidade dos vínculos, dos feedbacks dados mutuamente.

Assim como o significado de liberdade pode ser aperfeiçoado, a linguagem propicia outras oportunidades de melhoria. Por exemplo, uma pessoa que é capaz de dizer que é "burra", então não é tão burra, já que pode dizê-lo. Pense em quantas capacidades e conhecimentos são necessários para isto: fala, coordenação motora, significado de palavras, estrutura sintática, memorização e lembrança, reconhecimento de padrões (já que certamente ninguém se julga burro por uma só experiência). Se esta pessoa acreditar que é burra sem nenhuma contextualização e nenhum detalhe, isto pode afetar uma parte enorme de suas decisões. Isto se aplica a decisões, valores, crenças e cada coisa que você usar linguagem para expressar. A pessoa acima podia ter decidido: “Eu nunca sairei com Fulano novamente enquanto ele estiver com aqueles cabelos compridos e sujos” ou “Eu não sairei com Fulano enquanto ele não demonstrar que não mudou seu hábito de pôr o dedo no nariz em público”. Você podia ter escolhido que “Não aceitarei ofensas ditas em um tom alto de voz por quem não conheço quando eu estiver com raiva da pessoa que as disse”. Sobre linguagem, há mais oportunidades de melhoria do que cabe aqui, considere isto uma introdução, um despertar.

Para uma melhor compreensão de liberdade, veja também:

Distinções - enriquecendo a vida

Para se conhecer e compreender melhor, veja: 

Seção Suas capacidades

Diga-me o que te atrai e eu te direi quem és

 

Perceber a liberdade que já tem - Há pessoas que têm tudo e não se sentem bem, enquanto que outros quase nada têm e são felizes. A origem disso é que a satisfação com o que se tem não é função do que se tem, e sim da percepção e valorização do que se tem: um hábito perceptivo. O mesmo acontece com a liberdade: mesmo que você busque aumentá-la, se não souber perceber isso, não vai adiantar lutar por ela. É o que chamo de "síndrome do copo meio vazio". Isto não é um defeito; a habilidade de perceber o que está errado ou faltando é muito útil para melhorar a qualidade de projetos, planos, obras e outras coisas. É mais uma questão de quando e onde aplicar essa habilidade.

Como reconhecer o que se tem é um hábito perceptivo, você deve cultivá-lo. Reserve um minuto que seja por dia para buscar a percepção das liberdades que já tem. Para isso, você pode usar perguntas: Tenho liberdade de locomoção? Tenho tido liberdade de pensamento? Estou gerando opções? O que posso já estar usufruindo e não estar percebendo? Você pode praticar isso também em momentos de espera, como elevadores e sinais de trânsito.

Pergunte também: que liberdades posso ter e estou tendo e exercendo agora? Pode ocorrer que você está tendo mas não usando, e só esqueceu que tem.

Exercite sua percepção antes de dedicar-se a buscar expandir sua liberdade, pode ser que nem seja preciso!

 

Trabalhar crenças - Crenças e paradigmas são nossos mapas, e você pode imaginar o que é sair por aí com mapas distorcidos ou que não são do território em que estamos. Iniciar um trabalho sobre crenças nem sempre é fácil, porque elas podem obstruir sua própria evolução, como no caso de alguém que não acredita que pode se mudar (ou pior, acredita que não pode se mudar). Depois, é como qualquer outra coisa, se torna fácil quando sabemos como e queremos. Outra coisa que torna mais fácil mudar crenças é quando você percebe que há vantagens: mais competência, paz, harmonia, estabilidade, menos sofrimento subjetivo...

Há muitas possibilidades para se mudar crenças. A mais básica é uma atitude de busca e disponibilidade, associada a uma decisão de agir na direção. Este site tem inúmeras matérias que tratam do tema. Veja por exemplo:

Aprendizagem: Incrível capacidade, a sua

Inteligência Emocional: Crenças

Seção Novos paradigmas

De maneira geral, um bom caminho é experimentar as várias estratégias de auto-intervenção disponíveis no site, construindo crenças com base em experiências. Se você estiver presente e escolhendo (veja abaixo), pode até escolher crenças deliberadamente, mesmo que só por hipótese. A PNL tem muitos procedimentos para esse propósito, mas vai requerer algum estudo, sendo possivelmente mais rápido com um treinamento. A essência desse processo é a instalação da meta-crença (crença sobre crenças) de que é possível mudar crenças e que você só precisa descobrir como, estando este "como" disponível em algum lugar, dentro ou fora de sua mente.

Quanto à crença de que somos efetivamente agentes de construção da vida e do mundo, você pode ler O cachorro que mudou o mundo.

 

Pensar com opções - A sua estratégia básica de tomada de decisão afeta sua percepção de liberdade. Há pessoas que escolhem a primeira alternativa razoável que surge em sua mente. Outra opção é elaborar múltiplas opções antes de escolher.

Neste campo, uma possibilidade que poucos parecem ter noção é de criar opções também no nível de interpretação das percepções. Coisas do tipo ver de múltiplas perspectivas e pontos de vista e ter múltiplas descrições de um mesmo evento.

Pode-se criar opções também no nível perceptivo, que consiste em escolher ao que você dará atenção. Como podemos criar hábitos perceptivos, que nos induzem a prestar atenção segundo os mesmos padrões, escolher neste nível pode ser muito útil para enriquecer os nossos campos de possibilidades. Por exemplo, se você anda na rua olhando só meio-fios, pessoas, carros e buracos (visão "útil"), pode passar a incluir também olhadas no céu e nas árvores ou outras coisas que achar bonitas. Isso é tão poderoso que certos problemas podem deixar de existir só de você não prestar mais atenção neles. Um exemplo é uma lembrança vergonhosa. Note que esquecer algo é apenas uma opção; pode-se também prestar atenção na lembrança com a intenção, por exemplo, de aprender ou extrair algum outro proveito. Há casos de depressão que consistem em um hábito de a atenção da pessoa ficar presa a alguma coisa acontecendo em sua mente, como um filme sendo repetido, tendo a mesma reação; uma forma de paralisia mental (veja Depressão - doença ou capacidade?)

Outro nível de opções é o da estrutura de pensamento, que consiste em usar modelos ou roteiros para guiar o pensar. O único treinamento que conheço para isso é o de Edward de Bono (www.edwdebono.com), em inglês, cujo primeiro módulo já fiz e considerei muito bom. Minha intenção para o futuro breve é ter o meu próprio treinamento, aproveitando e melhorando as ferramentas de de Bono e incorporando outras. Se quiser um exemplo, veja o perfil de Walt Disney. Uma ferramenta para organizar o pensamento são os Mapas Mentais.

Estar presente - Os hábitos perceptivos, cognitivos e comportamentais fazem com que estejamos vivendo em grande medida uma realidade pré-construída, que se por um lado torna tudo mais fácil e simples, empobrece a vida tornando-nos estagnados e acomodados em um viver previsível, sem-graça e improdutivo. Pior, o que somos em essência fica escondido, porque nossa atenção é jogada para o passado das lembranças e ressentimentos, para futuros de preocupações e medos ou para o mundo atemporal da ilusão do ser ou não ser, somente de vez em quando passando no presente, onde as decisões são tomadas, onde o prazer é sentido, onde a resolução de problemas é encaminhada, onde o mundo é verdadeiramente construído. O objetivo aqui é estar cada vez mais vivendo no momento presente, o agora.

Acordei para esta possibilidade recentemente, em um treinamento, e estou, por assim dizer, "aprendendo a andar de bicicleta". O que sugiro a seguir é minha compreensão até o momento, com certeza há muito mais.

Meu instrutor resumiu o estar no presente como: "Ao comer, coma; ao andar, ande; ao escutar, escute". Para mim, também é como estar dirigindo: a atenção deve estar a maior parte do tempo no espaço e tempo presentes, com alguns momentos em que se pode dar uma escapada e olhar a paisagem. Se o ambiente está tranquilo e a via boa, você pode ficar mais à vontade. Se há muito tráfego e pedestres, mais atenção é requerída. Continuamente você verifica se o carro está na mão e ajusta se preciso. De vez em quando você se lembra do destino, para conferir se está no caminho certo. Também deve prestar atenção às informações do seu veículo, sejam visuais, sonoras ou as vibrações. Diante de imprevistos, interpreta o que está acontecendo ou pode acontecer, elabora alternativas de ação, escolhe e age.

Acredito que um dos propósitos da meditação é a prática do estar presente. Já experimentei vários tipos e ainda estou em processo de avaliação, por isso deixo para você apenas a sugestão da possibilidade.

Conclusão

Você já teve ter percebido que não há mágica na conquista de liberdade, esta é o resultado de busca e prática orientada e inteligente. 

Mas liberdade não é tudo na vida, há outras coisas que você quer. E às vezes, para conseguir algo que quer, tem que deixar de lado outras coisas que lhe são importantes. Você certamente vai se deparar com escolhas em que não é possível atender a todos os critérios, e isso aumenta na medida em que você passa a gerar mais opções em todos os níveis. Se você se apegar a opções não conciliáveis, é quando terá que fazer "sacrifícios". Se sua liberdade de escolha estiver bem trabalhada, estará exercendo a sua liberdade com inteligência e desapego e poderá simplesmente "tomar decisões". E quando você escolher ter, dar ou usufruir  prazer, o fará com mais intensidade. Quando escolher fazer algo por alguém, por você mesmo ou ambos, o fará com mais integridade. Será que há limites? Podemos escolher como pensar? Será que podemos escolher o que sentir e por quem? Se você descobrir, conte-nos.

Virgílio Vasconcelos Vilela

Veja também:

Inteligência Emocional: Distinções- enriquecendo a vida

Indique esta página para um amigo

 

 

 

Copyright 2002- Virgílio Vasconcelos Vilela

Permitida a reprodução desde que citados o autor e a fonte (obséquio dar conhecimento)