Indique este site        
 

BOLETIM

Saiba as novidades do site por e-mail e acesse arquivos exclusivos.

E-mail:

 

OBJETIVOS & DECISÃO

O poder de se direcionar

Conseguir o que você está querendo depende disto

Quando você faz algo, está direcionado para algum propósito. Se decide por um emprego, está direcionado e acredita que vai obter certas coisas, como um bom ambiente, oportunidades de crescimento, melhor salário. Se escolhe um companheiro ou companheira, certamente estará direcionado e acredita que vai viver momentos de prazer e apoio mútuos. Pode também ter direções em comum, objetivos a conquistar a dois. Mesmo em coisas simples a direção está presente, como escovar os dentes ou amarrar os sapatos. 

Perceba a diferença, em uma negociação, do direcionamento dos envolvidos. Um quer "atingir seus objetivos", enquanto outro está direcionado a "achar uma solução que atenda aos objetivos de ambas as partes".

Comprovando: antes de prosseguir na leitura, por favor, olhe em volta e procure tudo que é vermelho. Depois clique aqui para ver a pergunta lá embaixo. 

As direções que escolhemos podem ser de atração (escovar os dentes para mantê-los brancos) ou de afastamento (evitar cáries). Muitos dos valores que temos são direções das quais nos afastamos, como não roubar ou não invejar.

Nossa mente tem uma incrível capacidade de gerar comportamentos que nos conduzam às direções instaladas ou nos afastem delas. Por exemplo, assistir televisão pode ser a ação/solução que atende aos propósitos de relaxar, desligar-se de um problema, informar-se e fazer companhia para alguém.

Talvez ainda não estejamos familiarizados com o fato de que outras coisas que encontramos só as encontramos porque estamos direcionados para isto. Por exemplo, uma das habilidades que temos é de perceber o que está faltando. Isto é muito útil para fazer as malas, encher um copo com água e para planejar. Mas uma pessoa só nota o que falta se estiver internamente direcionada para buscar isto.

Agora pense em uma pessoa direcionada internamente para "evitar problemas". Para conseguir fazer isto ela precisa primeiro identificar um problema, e portanto também está direcionada para isto.

Imagine agora uma pessoa que está no trabalho ou na escola mas está pouco envolvida, preferiria estar em casa, sossegada, lendo um livro. "Preferiria", neste caso, indica que a pessoa está direcionada para isto. No ambiente de trabalho ela tem outras direções, e ela então está em um conflito, não parece haver ações possíveis para conciliar as duas direções. Pior, não estando envolvida com os objetivos do trabalho, sua mente pode não gerar os melhores comportamentos para maior produtividade e qualidade. E a pessoa acaba não fazendo nem uma coisa nem outra.

Como esse conhecimento pode ser aplicado no dia a dia? Dentre as várias possibilidades, há algumas que individualmente podem provocar grandes impactos na qualidade de vida. Por exemplo, compare a diferença entre dois direcionamentos de uma pessoa durante uma relação sexual. O primeiro, buscar o que está faltando em relação à melhor relação já tida. O segundo, buscar as fontes de prazer de cada momento. Esta segunda direção pode ser usada em inúmeras situações cotidianas. Imagine-se por exemplo comendo ou bebendo e, a cada garfada ou gole, direcionar-se para perceber o prazer que possivelmente possa estar presente. E melhor, após perceber o prazer, direcionar-se para usufruir desse prazer durante alguns momentos. Você se permitiria isto?

Outra direção de profundo impacto é para soluções. Diante de um problema, e direcionada para soluções, a mente vai buscar alternativas para resolver a situação. Isto depende também de como a situação é interpretada. Se a pessoa, ao invés de distinguir "problema" ela interpreta a situação como "oportunidade de melhoria", a busca de solução já está implícita.

E uma pessoa feliz, será que está direcionada internamente para buscar algo? Talvez não para buscar felicidade, mas que tal buscar por tudo com que está satisfeita no momento? Que tal buscar por tudo que já realizou para si e para outros? Que tal direcionar-se para buscar o que já caminhou no rumo dos objetivos? Talvez isto explique porque há pessoas que muito têm e pouco usufruem e outras que pouco têm e se sentem felizes.

Em geral nós operamos com ambos os tipos de direções: afastamento e aproximação. Esses dois tipos são complementares, como sintetiza a Enciclopédia de PNL (www.nlpu.com):

"Aqueles que exclusivamente se 'movem em direção a' podem tomar decisões ingênuas e potencialmente arriscadas. Aqueles que somente se 'movem se afastando de' podem parecer muito pessimistas ou 'paranóicos'. Boas decisões e planos geralmente envolvem combinação de ambos.

O mundo interno das pessoas é muito rico em experiências, variado em emoções, permeado de direções. Cada palavra que conseguimos compreender indica que temos experiências que dão um significado à palavra. E se temos experiências tão ricas, isto significa que o que quer que busquemos lá dentro, ou seja, o que quer que nos direcionemos para buscar, com certeza vamos encontrar. E se algo porventura não estiver lá, ainda resta a nossa capacidade de combinar o que existe e fazer algo diferente. Se estivermos direcionados para isto, é claro!

Virgílio Vasconcelos Vilela

 

O que você viu que era azul? Voltar

Veja também:

Nesta seção: Direcionando-se com perguntas

Indique esta página para um amigo

 

 

 

Copyright 2002- Virgílio Vasconcelos Vilela

Permitida a reprodução desde que citados o autor e a fonte (obséquio dar conhecimento)